Gospel Reflections

Feast of Good Friday

João 18-19

Feast Day Reflection by Irmã Sandra Araujo Santos

Published: March 25, 2016

Read João 18-19

Quando Jesus acabou de orar, atravessou o vale de Cedrom com os seus discípulos. Eles foram para o outro lado do vale, onde havia um jardim. Read More…


REFLEXÃO DO EVANGELHO JOÃO 18,1-19,42.
SEXTA FEIRA SANTA.
O MISTÉRIO PASCAL

O mistério Pascal (….) é um processo de transformação dentro do qual nos é dado ambos, nova vida e novo espírito. Inicia com sofrimento e morte, seguindo para a recepção da nova vida, gastando algum tempo com o luto do velho e se ajustando ao novo, e finalmente somente depois que a velha vida tenha verdadeiramente desaparecido, então o novo espírito é dado á nova vida que já estamos vivendo de fato.


ROLHEISER, Ronald. The Holy Longing – The Search for a Christian Spirituality.

Quando me pediram para fazer uma reflexão do evangelho da sexta-feira santa, eu comecei a pensar: o que eu posso escrever sobre este texto. Ele é tão conhecido que é muito difícil para uma pessoa como eu, que nem sou nenhuma estudiosa da bíblia, mas uma simples pessoa neste universo. Como posso trazer alguma luz sobre este texto?

Então, desde que estou usando o livro citado acima nas minhas orações, decidi usar esta linha de pensamento para fazer minha pequena reflexão. Aqui no Brasil nós preferimos chamar este dia Sexta-Feira da Paixão ou simplesmente Paixão de Cristo.

Então, para pensar a respeito do que aconteceu naquele dia é necessário abrir nossos corações e nosso ser para ver e sentir a Paixão de Nosso senhor Jesus.

Ele, que era uma pessoa humana e divina ao mesmo tempo, em sua humanidade ele se apaixonou por nós humanos com nossas dores e limites. Ele se apaixonou tanto que não teve dúvidas em se entregar em sacrifício por nós.

Na Santa Ceia que ele realizou com seus amigos e seguidores na noite antes de sua morte, ele deu a mensagem, ela era tão clara e simples que os presentes tiveram que estar certos que queriam continuar seguindo aquele projeto de vida. Eles e elas que decidiram continuar, estavam movidos por uma fé forte e grande coragem.

Neste ponto comecei a pensar sobre nós, que estamos aqui há mais de dois mil anos, depois daquele dia, e nos reclamamos cristãos e cristãs seguidoras de Jesus. Quão grande é nossa coragem de amar? Estamos ainda apaixonadas (os) por Jesus e seu projeto de vida? Como demonstramos isto em nossa vida diária?

Olho ao redor e vejo as feridas deste nosso mundo, da humanidade, da natureza, de toda a vida que grita por ser amada. Percebo que os laços que deviam existir entre as criaturas de Deus, estão quebrados. A violência, a intolerância e o ódio são assustadores.

Do outro lado vejo o Papa Francisco tentando ser profeta em nosso tempo, convocando a gente a um retorno à mensagem inicial de Jesus, aquela à qual Ele convidou seus amigos e amigas. Francisco nos convida a ter a mesma coragem de amar a Deus na sua criação em simplicidade e confiança. Em solidariedade e irmandade.

Contudo, quanto apoio ele tem? Quantas pessoas que se reclamam cristãs, mas estão mais preocupadas com rituais e dogmas e esquecem da mensagem do Evangelho que é simples e exigente ao mesmo tempo.

Como se expressa ao autor citado acima, o mistério pascal envolve a capacidade de se libertar de nossas supostas seguranças, nossas cercas de proteções. Coragem, de ir para além das nossas zonas de conforto e alcançar nossas irmãs e irmãos em maior necessidade de amor.

Nós precisamos a coragem de estar apaixonadas por Jesus, mas não somente por ele enquanto homem histórico que um dia andou em nosso meio. Ao contrário, a coragem de encontrar Jesus presente em nossos irmãos e irmãs mais sofredores, tanto os de dentro do nosso círculo de amigos, quanto os que estão fora dele. Coragem de olhar para além das fronteiras de nosso mundo particular e alcançar ao outro, à outra.

Irmãs, isto foi como consegui expressar aquilo que eu entendi a respeito do que aconteceu naquele dia. O que entendi da mensagem de Jesus para nós.

« View all Gospel Reflections